Quem é essa menina?

Sem muitas formalidades, me chamo Camila… Camila Monteiro de Lima. Tem os queridos que me chamam de Mila, Camilinha, Mia (os pequenos aprendendo a falar),… e tem os esquecidos que me chamam de Menina também.
Uma moça me perguntou uma vez se a escolha do nome do estúdio veio por tanta gente me chamar de Menina. Ah, não, a historia desse nome é mais comprida. Deixo para contar outra hora.
Nasci em Carangola, em 1986. Cresci vendo minha mãe pintar e logo comecei a seguir o seu caminho. Isso me influenciou na escolha do meu curso de graduação. Mudei-me para Belo Horizonte em 2003 e em 2004 iniciei o curso de Artes Plásticas na Escola Guignard.
O interesse pela fotografia surgiu de uma maneira curiosa. Comecei fotografando algumas idéias que gostaria de ter como base para as minhas pinturas, desenhos, esculturas, gravuras. Experimentei tudo, e a conclusão foi que em minhas fotografias encontrei o resultado esperado e nunca alcançado em outros trabalhos. Assim, a fotografia passou de mera coadjuvante para personagem principal no roteiro da minha vida. Nas aulas de fotografia sempre busquei por um novo olhar. Pude experimentar muito e descobrir novas formas de ver.
Conclui o curso de Artes Plásticas em 2007. Especializei-me em fotografia e desenho. Aproveitei o embalo para fazer alguns cursos profissionalizantes e uma pós-graduação em Artes Visuais, concluída em 2009!
Voltei para Carangola ainda em 2009 com novas idéias. De volta para casa, pra perto da família, pude aprender coisas simples e essenciais que não se aprende em faculdade. Tempo de amadurecer as idéias e traçar novos caminhos. Coloquei objetivos em mente e corri – continuo na corrida – para conquistá-los. Em 2010 inaugurei o estúdio fotográfico Menina dos Olhos. Mais um grande aprendizado.

Mas, de onde surgiu a menina?

Comecei a trabalhar com fotografia em maio de 2008. Junto com uma amiga de curso, Juliana Buli, criamos a Menina dos Olhos Serviços Fotográficos, em Belo Horizonte. Chris Valias logo apareceu pra acrescentar novas idéias. Criamos nossos primeiros fotolivros. Experiência positiva. Mas a vida levou cada uma a trilhar caminhos distintos, seguir diferentes desejos.

A conclusão disso tudo?

É muito simples: alegria, alegria, alegria.
Não poderia deixar de dizer o quanto me sinto feliz em estar aqui nessa minha terrinha, registrando tantos momentos felizes de tantas pessoas que se tornam extremamente especiais. Cada cliente me traz novas experiências, novas lições…
Ter clientes fora daqui também é um grande privilegio e alegria. Me sinto honrada e feliz ao ser chamada para fotografar em uma outra cidade. Ou até mesmo montar fotolivros com fotografias de arquivo de clientes de longe…
Os caminhos continuam sendo traçados com muita fé e atenção. Tudo muda o tempo todo e é preciso coragem, sempre. Aceitar as mudanças como presentes de Deus. Tudo assim se torna inspiração. E tudo fica envolvido com amor, o que torna o trabalho sincero e prazeroso.